Exercícios Fisioterapêuticos para cada Fase do Paciente Com Luxação Congênita do Quadril

Posted on

3) Crônica: Os estudos variam em relação a esta fase, que pode atingir mais da metade dos pacientes.

Artrite Reumatóide A artrite reumatóide (AR) se trata de uma doença inflamatória sistêmica, sendo crônica e progressiva, tal patologia acomete a membrana sinovial, podendo levar à destruição óssea e cartilaginosa. Na fase aguda da doença, exercícios passivos são indicados para diminuir a dor, ganhar amplitude de movimento, prevenir contraturas musculares, aumentar a flexibilidade muscular e ativar o sistema circulatório. Em pé, com os membros superiores apoiados em uma superfície estável, o paciente deve realizar uma flexão de joelho, levando o pé em direção ao glúteo. A artrite reumatoide é uma doença comum e o fisioterapeuta tem papel essencial no tratamento não farmacológico do paciente. Nos casos onde foi diagnosticada uma doença inflamatória articular crônica, tais como: AR, AIJ, espondiloartropatias, entre outras, o tratamento medicamentoso deve ser dirigido para essas doenças. Segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia, é uma doença que acomete cerca de 1% da população e qualquer pessoa pode desenvolvê-la, desde crianças (Artrite Reumatóide Juvenil) até idosos. O diagnóstico da doença é baseado na avaliação de sintomas do paciente, exame físico, radiografia e exames de sangue. No entanto, todas apresentam sinais clínicos característicos de inflamação da membrana sinovial que envolve as articulações: inchaço (edema), vermelhidão, calor e dores articulares. Consiste em uma inflamação crônica que ocasiona dor, redução do arco de movimento e inchaço local, podendo afetar, além das articulações, outros órgãos do corpo.

A terapêutica inicial, na fase inflamatória, inclui repouso do joelho afetado, compressas de gelo para casos agudos, medicações anti-inflamatórias e meios físicos para analgesia e redução do processo inflamatório.

  • Artrite idiopática juvenil
  • Dermatomiosite juvenil
  • Lupus eritematoso sistêmico juvenil
  • Vasculites juvenis
  • Terapia biológica

A artrite reumatóideé uma doençaauto-imune sistêmicae crônica, caracterizada pela inflamaçãodas articulações(artrite), e que pode levar a incapacitação funcional dos pacientes acometidos.Ocorre uma hiperplasia e hipertrofia do tecido sinovial.

Além de alterações ósseas a avaliação do dano da cartilagem articular também é uma vantagem desse exame em relação a outros exames de imagem com a visualização direta da cartilagem. Além do diagnóstico preciso e precoce das alterações inflamatórias e do dano articular, o exame de ultrassom é capaz de monitorar a doença possibilitando assim um tratamento mais eficiente. A principal tarefa do médico, neste caso, não só se livrar do paciente de inflamação das articulações, mas também a eliminação da doença, o que pode ser muito grave. O objectivo principal do tratamento da artrite reumatóide (terapêutica e fisioterapia) é conseguir a remissão da doença, desactivando a inflamação comum activa e evitando a deterioração progressiva das superfícies ósseas. Na fase inicial da doença, o paciente pode apresentar sintomas constitucionais e/ou manifestações sistêmicas inespecíficas (febre, emagrecimento, indisposição, cefaleia, dor torácica atípica, dor abdominal, eritema nodoso etc.). O início da doença pode ser insidioso ou abrupto e a maioria dos doentes apresenta sintomas constitucionais (anorexia, perda de peso, febre baixa, fadiga e depressão). Na avaliação goniométrica, a paciente apresentou uma redução considerável do grau de amplitude de movimento principalmente em membro superior esquerdo e membro inferior direito (conforme tabela 1). Na avaliação goniométrica, a paciente apresentou melhora considerável do grau de amplitude de movimento na articulação do ombro bilateral, na articulação do quadril e joelho, conforme mostra a tabela 4. 1.4 Queixas Gerais A – Fadiga É o sintoma mais freqüente nas doenças reumáticas em atividade, pode preceder o reconhecimento do quadro reumático e é muito comum na A.R.

Fibromialgia é uma doença crônica que não tem cura, mas que se seguido corretamente o tratamento, pode se ter controle sobre a doença e levar uma vida tranquila.

  • Artrite Gotosa – Ocorre mais em homens e é causada por microcristais minerais de urato. As articulações mais atingidas nesse tipo são joelhos, cotovelos, tornozelos e o dorso do pé.

– Paciente flutuando na piscina utilizando flutuadores em membros superiores, inferiores e pescoço (e quadril, caso seja necessário).

Exemplos: – Paciente em flutuação, com flutuadores em membros inferiores, superiores e cabeça (e quadril, caso necessário). Pacientes com doenças desmielinizantes são os que mais se beneficiam, pois com a hidroterapia conseguem uma boa manutenção da força muscular sem causar fadiga. Em alguns casos o indivíduo entra numa fase poliarticular crônica com dor nos peíodos intercríticos e alterações persistentes ao exame físico e ardiológico articular. ESCALA EPM-ROM PEDIATRICA: uma escala reduzida para avaliação da amplitude de movimento articular de pacientes com artrite reumatóide juvenil. 3)    REVISÃO DE LITERATURA 3.1) Artrite Reumatóide (AR) A AR causa inflamação na membrana sinovial articular e se manifesta por calor, inchaço e dor. Na fase de exsudação, a congestão e o edema são mais acentuados na superfície interna da membrana sinovial, particularmente próximo às bordas da cartilagem articular. 5.Quadris O envolvimento dos quadris na artrite reumatoide é relativamente comum, embora, nas fases iniciais, a única alteração ao exame seja a redução da amplitude de movimento das coxofemorais. Até 30% dos pacientes com artrite reumatoide são soronegativos para FR, sendo que, na fase inicial da doença, essa cifra pode chegar a mais de 50%. Doença intersticial crônica ou nódulos pulmonares, muitas vezes assintomáticos, são mais frequentemente observados, sendo muitas vezes de difícil diagnóstico diferencial com as alterações pulmonares decorrentes da própria artrite reumatoide.

Artrite Reumatóide Juvenil(Artrite Juvenil Crônica; Artritis Juvenil Idiopática; Doença de Still de Início Juvenil)

  • Melhorar o desempenho muscular: força, coordenação e resistência à fadiga dinâmica de tronco e membros

Qualquer articulação sinovial pode apresentar a inflamação da artrite reumatóide, as mais comuns são:Mãos; Joelhos; Pés; Cotovelos; Ombros; Têmporo-mandibular; Coluna cervical.

A artrite acomete principalmente o joelho (76% dos casos), e, o tornozelo (50%), e, posteriormente os membros superiores como os punhos e cotovelos. Também é conhecida como artrite crônica da infância, artrite crônica juvenil, doença de Still, e artrite idiopática juvenil. Além da artrite reumatoide, o metotrexato é utilizado no tratamento de doenças com a artrite idiopática, juvenil, dermatomiosite, doença de Crohn, esclerodemia, eczema, pênfigo, polimiosite, psoríase, sarcoidose e vasculite. Espasmo muscular periarticular, redução do fluxo sanguíneo com elevação da pressão intraóssea e inflamação sinovial, acompanhada por liberação de prostaglandinas, leucotrienos e outras citocinas, também contribuem para o processo álgico. Alguns dados importantes na avaliação desse pacientes incluem: * Hemograma completo: a presença de leucocitose, embora não estatisticamente relevante, sugere doenças infecciosas como osteomielite e artrite séptica. Deve-se lembrar sempre, porém, que a avaliação clínica do paciente é de grande valia, pois doenças infecciosas graves podem apresentar comprometimento do estado geral, dentre outras alterações. Trata-se de uma doença de caráter progressivo, acometendo difusamente a membrana sinovial, produzindo dor, edema, calor e rubor articular e acentuada limitação de movimentos, apresentando agravantes em fases mais avançadas. Sendo uma doença geral, pode ocorrer febre, calafrios, fadiga e perda de energia, cefaleias, perda de apetite e rigidez muscular. Os pacientes com uma abordagem de tratamento que envolve a compreensão melhor da doença, bem como a melhoria do sono, redução do estresse e exercício físico, tendem a melhorar.

Na fase aguda da artrite, o hemograma pode evidenciar anemia de doença crônica e leucocitose com desvio, nos casos de artrite séptica e microcristalinas.

A dor acomete o corpo todo, além de fadiga, alteração no sono, ansiedade, depressão e alterações intestinais. O exame de X de mãos em pacientes com LES pode apresentar osteopenia peri-articular, como ocorre na Artrite reumatóide, mas não cursa com alterações erosivas. Apenas a dengue provoca a forma hemorrágica com morte ou formas graves, porém a artrite (dores articulares) crônica debilita e diminui a qualidade de vida do paciente. (exemplo artrite reumatóide, artrite psoriática) e também nas patologias infecciosas (artrite séptica, artrite gonocócica) O tipo mais comum de artrite é a Artrose, outros nomes usados são: osteoartrite ou Osteoartrose. As doenças reumáticas mais conhecidas são: osteoartrose, artrite reumatóide, osteoporose, gota, lúpus, febre reumática, fibromialgia, tendinite, bursite e diversas patologias que acometem a coluna vertebral. Após a avaliação fisioterapêutica, foi proposta a conduta: – Alongamento de membros superiores, com ênfase em flexores e extensores do punho; Pacientes que apresentam ulcerações nos membros podem ser tratados com laser de baixa potência, sendo considerado um tratamento adequado e menos invasivo para os problemas decorrentes da macrovasculatura. 2) Artrite em uma ou mais articulações, definida por edema ou pela presença de dois ou mais sinais como: limitação, dor à palpação ou ao movimento e calor. Sintomas de artropatia inflamatória, rigidez matinal prolongada, fadiga e sinovite ativa ao exame articular indicam doença em atividade e a necessidade de avaliar mudanças do programa terapêutico. A anamnese, o exame físico das articulações e a avaliação funcional são as ferramentas básicas do acompanhamento do paciente nos dois primeiros anos da doença. Artrite reumatóide é uma doença auto-imune sistêmica, caracterizada pela inflamação das articulações (artrite), e que pode levar a incapacitação funcional dos pacientes acometidos.